palhocense.jpg

“Amaldiçoados” pelo bom e velho rock’n roll

03 Agosto 2017 11:40:08

Músicos de Palhoça levam a música dos anos 1950 e 1960 à Capital nesta sexta-feira (4), na estreia oficial da banda Joe Love and the Red Wings

joeloveResultado.jpg

A banda Joe Love and the Red Wings estará completa pela primeira vez para uma apresentação no Imortal Taliesyn Rock Bar, no Centro de Florianópolis, nesta sexta-feira (4), a partir das 21h30. Após dois meses de ensaios, o grupo está pronto para levar os convidados a reviver os bons tempos do rock’n roll dos anos 1950 e 1960. Para a alegria do clã Malagoli.
Impossível dissociar o nome da família da história da música palhocense. Os mais antigos vão lembrar imediatamente de Dodô Malagoli, e os mais novos farão referência à estrela do “reggae’ roll e groove”, Nathan Malagoli. Respectivamente, tio e primo de Joe Love, nome artístico de um músico igualmente tarimbado, mas que talvez seja mais reconhecido pelo ativismo ambiental: Hugo Malagoli, ex-presidente do núcleo local da organização ambientalista Sea Shepherd. “Sempre tive banda, há uns 20 anos, já. Sempre fiz um sonzinho em casa com os amigos e também já fui profissional. Toquei em umas 20 bandas”, diz o músico, de 39 anos.
Ao lado do irmão Roberto, baixista do grupo, Hugo perpetua a saga Malagoli na música com uma veia essencialmente nostálgica. O repertório da banda é pautado em canções dos anos 1950 e 1960, com covers de gênios como Elvis Presley, Johnny Cash e Roy Orbison. Joe Love e seus Red Wings transitam entre rock, folk, blues, rockabilly e country music, relembrando os clássicos que embalaram aquela época.
Neste momento, a banda se concentra nos covers, mas é possível que trabalhe composições próprias futuramente. Joe Love diz que já tem mais de 40 composições na ponta do lápis, escritas em inglês e em português. “Como estou recomeçando, a gente quer que o pessoal conheça a banda primeiro, para depois começar a lançar alguma coisa autoral no meio, mas sempre nesta linha do rock’n roll dos anos 50 e 60”, explica. “Não adianta, sou amaldiçoado pela velharia”, brinca o vocalista.
Sobre a escassez de lugares para tocar (e ouvir) rock’n roll na região, totalmente dominada pelo sertanejo, o líder da banda argumenta que isso não foge muito da própria história do rock, um gênero “underground”. “O rock sempre foi underground, sempre foi marginalizado. Teve uns picos, assim, em que estouraram algumas bandas, nacionais ou internacionais, mas rock bom tu só vai encontrar mesmo em lugares assim, como o Taliesyn, que é muito bom, um lugar onde toca muita banda com música autoral”, reflete.
Palhoça também tem sua “casa roqueira”, o Liffey Pub, na Pedra Branca, e futuramente Joe Love espera levar seus Red Wings para apresentações na casa. Outra ideia é fazer uma apresentação gratuita nos lagos da Pedra Branca. Assim, pode estar mais próximo do público palhocense.
Com uma voz grave, bem ao sabor de Elvis e Johnny Cash, Joe Love é vocalista e também toca guitarra folk. A formação tem ainda o baterista André Tentardini, que mora no São Sebastião, e o guitarrista e vocalista Edgard. Todos profissionais com experiência na música. “Nós nos juntamos, mostrei meu repertório e todo mundo comprou a ideia”, relembra. Um dos locais de ensaio da banda é a casa do vocalista, no bairro Passa Vinte. “A vizinhança adora. Sério, tem gente até gritando da janela sugerindo música”, diverte-se.
Após a estreia desta sexta-feira, a banda deve seguir em turnê em casas de rock’n roll em Santa Catarina e até nos estados vizinhos. “Já temos lugar para tocar em Blumenau, Rio do Sul, Joinville, Curitiba, Porto Alegre... Também, pudera, já são 20 anos de contatos na noite”, pondera o vocalista. Que venham mais 20 anos!

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina