palhocense.jpg

Opinião do leitor - Edição 592 - 08/06/17

08 Junho 2017 11:12:07

Resposta para opinião na 
tribuna da Câmara
Nossa comunidade fundada nos anos 70, na Enseada de Brito, levou o nome de Morro dos Gaúchos no Bar do João, tempo das olarias e madeireira. Era a zona rural da Enseada, tinha moinho e tudo, que se transformou na sede de uma Comunidade Alternativa nos anos setenta. Atualmente, é usado o moinho antigo, como lugar de pregação da instituição Leão de Judá. E antes disso, foi onde funcionou o Creta XIII, entre 2008 e 2012, e nova tentativa de voltar em 2013. O Creta estava instalado em metade das terras da antiga comunidade alternativa, e como pode ser comprovado nos autos dos processos 06.2010.00000090-9 e 045.08.010388, não pôde haver convivência pacífica entre esta instituição e os moradores do lugar, já agora triplicado o número de domicílios. E continua a não poder! O dono do Creta, aquele que teve que fechar sua unidade aqui no Morro dos Gaúchos por decorrência dos processos acima citados, alugou para o Judá, e voltou a se instalar em outra propriedade que adquiriu no Morro. Com os mesmos maus modos com o lugar e as pessoas. Instalou-se à força, literalmente, passando por cima até da polícia, que não deixou de atender nossos vários chamados, sem Alvará, sem nada! Por isso o bafafá! Polícia, ameaças de violência física, depredação, palavrório, já passou pela Tribuna da Câmara, dias 11 e 29/05 pps... e, se chegou à coluna Boca Maldita, sinto-me no dever de explicar. Quem conhece bem Palhoça deve lembrar de uma boa fase da nossa comunidade, tempo do saudoso J.Silveira (Jacó) secretário de Cultura, época em que se instalaram na comunidade os queridos Miguel Castro e Irene Meyer, maestro e músicos, fundação da Ação Cultural da Enseada de Brito, resgate da Cantoria de Reis, luta pela Praça da Enseada, criação do Coral da Capela da Enseada, Grupo Chimia: música e teatro, e por aí afora. Daí, no final dos anos 80 o sonho acabou. Ficamos todos muito pobres e tivemos que voltar a trabalhar no ‘sistema’ do qual havíamos fugido, de carona na cauda do cometa.. Alguns venderam, alguns voltamos. Agora a comunidade funciona assim: cada um nos seus domínios, respeitando o domínio dos outros e a natureza! O dono da instituição excretada e que se instalou à força aqui, nos últimos 60 dias, transgride todos os valores que cultuamos em Morro dos Gaúchos. Por isso, o bafafá. PS: o pior foi o que o Jonas Pires falou de nós na Tribuna da Câmara dos Vereadores de Palhoça nos dias acima citados, respondendo ao pronunciamento de uma moradora da comunidade, quando fomos pedir providências. Pela seriedade e gravidade do caso, gostaria de pedir uma divulgação que possa esclarecer os fatos aos amigos da Comunidade de Morro dos Gaúchos.

Jucélia Weber 
(Na redação)


Contorno Viário
Gostaria de saber como vai ficar o bairro Aririú, que fica entre duas BRs e agora também com o Contorno Viário. O trânsito já é caótico e vai piorar... pois há aumento significativo de moradores na região.

Michela Melo Joanei Souza 
(Pelo Facebook)


Trânsito
Palhoça tem uma engenharia de trânsito horrível! A região central é toda desorganizada. O viaduto da 282 é uma zona e totalmente inseguro.

Ari Mfr 
(Pelo Facebook)


Amor por Palhoça
Palhoça sempre linda... Pode ter todos defeitos, mas, para mim, é única e está sempre no meu coração.

Julio Roth 
(Pelo Facebook)


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina