palhocense.jpg

Futsal e cidadania no Caminho Novo

18 Maio 2017 08:23:29

Saiba como ajudar a garotada a seguir o saudável caminho da prática esportiva

IMG_0089.JPG
Ruan, de 10 anos, pratica futsal, vôlei e capoeira no ginásio do bairro

O esporte cumpre uma importante função social. Não é apenas uma questão de descobrir talentos. É possível ir além e ensinar valores. Noções de amizade, responsabilidade, disciplina, comprometimento e trabalho em grupo podem ser transmitidas através da prática esportiva. É nisso que apostam pais de alunos e educadores dos projetos esportivos oferecidos pela Prefeitura no ginásio do Caminho Novo. E eles convocam a sociedade a colaborar para que aqueles alunos em situação de vulnerabilidade social possam ter à disposição o material esportivo necessário para “entrar em quadra”.
É o caso do futsal. A maioria dos cerca de 70 alunos da escolinha de futsal utiliza chuteiras arrecadadas em campanhas de doação. Bolas e coletes também foram doados – pela loja de materiais esportivos Amaro Esportes. Até os tradicionais cones e  discos de delimitação de área foram comprados com recursos particulares – quem desembolsou os valores foi o morador do Caminho Novo Luciano Miranda, que faz parte da equipe que gerencia a oferta de esportes no ginásio e também é pai de um dos alunos, o jovem Lucas, de oito anos. “É inegável a importância do esporte. Nós que vivemos em uma comunidade que tem um certo preconceito, mas também um certo risco, é importante que essa rapaziada esteja aqui conosco, fazendo algum tipo de atividade no contraturno escolar, participando de algo que vai vir a influenciar diretamente no futuro deles, na questão do comportamento, de fazer amizades, do trabalho em equipe, de respeitar o próximo. Isso tudo são fundamentos que eles aprendem nesse projeto”, reflete Luciano. “É um projeto social, então ele é gratuito e a ideia da gente, além de manter eles aqui dentro numa atividade esportiva, a gente procura primar pelas amizades, o comprometimento, a responsabilidade”, reforça o professor Nelson Roberto Aguiar, que desde o início do projeto, há dois anos, ensina os rudimentos da bola à garotada da região - além dos garotos do Caminho Novo, também participam das escolinhas jovens atletas do Madri e do Terra Nova, por exemplo.
Nelson e Luciano usaram as redes sociais para pedir doações à comunidade, e os palhocenses responderam. Muitas chuteiras foram doadas, novas e usadas. Mas ainda tem garotos precisando de doações (as numerações variam do 32 ao 40). Além das chuteiras, serão bem recebidas outras peças da indumentária da bola, como calções e meias. “Conseguimos arrecadar naquela semana vários pares de chuteira para essa primeira leva, porque a gente sabe que vão rasgar com o tempo”, pondera Nelson.
As doações vão auxiliar para a manutenção do projeto, que tem o apoio da Prefeitura, com a cessão dos profissionais que trabalham com a garotada. São atendidas crianças de seis aos 16 anos, sempre no contraturno escolar, em vários esportes (conheça outras modalidades na página ao lado). E é possível escolher mais de uma modalidade. Ruan, de 10 anos, é um dos alunos do futsal que “ampliaram os horizontes”. Ele também faz vôlei e capoeira. E se engana quem pensa que o futebol é o que ele mais gosta. “Gosto mais de capoeira”, garante. “A gente traz a criança e vê que ela gosta e se diverte. Meu filho tinha grande dificuldade em acordar cedo, e hoje ele faz questão de acordar cedo”, celebra Luciano Miranda.
Ruan é um dos netos da dona Inara de Lima que participa do projeto. Outro neto, Andrew, de 10 anos, também faz aulas de vôlei. “É importante principalmente pra tirar eles da rua e da desocupação. Eles vão para a escola, tem ocupação em outro horário, estão aprendendo alguma coisa útil, e numa hora dessas podem ser escolhidos por um clube, é uma oportunidade de carreira, além de que ocupa a mente”, pondera a avó, que costuma levar os netos aos treinos. Dona Inara reforça a importância da prática esportiva para o desenvolvimento da comunidade. “Se eles salvarem meia dúzia com este projeto, já valeu a pena. Futuramente, essa meia dúzia vai salvar mais 12, eu ainda acredito nisso”, defende.
Quem quiser fazer alguma doação ao projeto ou mesmo se inscrever para as modalidades praticadas pode ligar diretamente para o número do ginásio: 3242-0307. 

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina