palhocense.jpg

Maristela Soares, uma empreendedora de sucesso

15 Dezembro 2011 11:46:21

Beo Construtora, fundada pela empresária, dá início à sua primeira obra no Município

Natural de Águas Mornas, Maristela se criou em Palhoça

Em 2001, Maristela Soares deu início às suas primeiras obras: oito casas geminadas que, segundo ela descreve, “já eram diferenciadas, com detalhes caprichosos”. Aos poucos, nascia a Beo. Era o começo de uma construtora que, dez anos depois, já teria construído mais de 300 unidades habitacionais.

Criada em Palhoça, cidade onde até hoje residem seus pais e familiares, pela primeira vez Maristela está construindo no Município: “É como se estivesse retribuindo um pouco do que a cidade fez por mim. Fui muito feliz aqui e agora estou reencontrando amigos e retornando às minhas raízes”, conta.

Maristela acredita que é chegada a hora para investir em Palhoça, já que o poder público tem apoiado iniciativas para o crescimento da Cidade, cujas características físicas e geográficas já são bastante atrativas.

O nome escolhido para o prédio que está sendo construído no Centro é Nair Zacchi, homenageando a família Zacchi, muito tradicional na cidade, e a D. Nair, conhecida por ajudar muita gente em Palhoça. “O filho e a neta de D. Nair vão morar aqui! É a primeira vez que um empreendimento da Beo leva o nome de uma pessoa”, conta Maristela, “e fizemos isto por querer homenageá-la”.


Talento

Natural de Águas Mornas, Maristela Soares mudou-se aos três anos de idade para Palhoça. Estudante do Colégio Ivo Silveira, ao se formar na 8º série já queria fazer escola técnica em edificações. A família, no entanto, não tinha como arcar com os custos, e foi necessário adiar o sonho.

Depois de cursar Serviço Social na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), a empresária ainda não havia se encontrado. Prestou novamente vestibular e, mais uma vez, foi aprovada, dessa vez para Ciências Contábeis. Não chegou, no entanto, a se formar. Com 23 anos, foi chamada pelo tio, que possuía uma construtora, para prestar uma pequena ajuda uma ou duas vezes por semana na parte administrativa. O que era pra ser provisório acabou durando cinco anos.

“Nessa época, tirei o documento do Conselho Regional dos Corretores (CRECI) e trabalhei dois anos como corretora. Foi quando aprendi a ouvir as necessidades do cliente, que é o segredo de qualquer negócio. Depois disso, trabalhei como gerente em uma grande construtora por sete anos e, em 2001, fui ser gerente comercial em uma quarta empresa, já sonhando em trabalhar para mim mesma”, conta Maristela. “A Beo nasceu da realização de um talento”, conclui.

Atualmente, a empresa possui 120 funcionários diretos e 40 indiretos, possui nível A no PBQP-h (Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat) e ISO9001.


Mercado

“O conhecimento técnico eu não tinha, por isso precisei me cercar, no início, de quem tinha o conhecimento  prático”, conta Maristela. Para ela, o segredo para ser aceita pelos trabalhadores - desafio ainda maior para uma mulher em um ramo tipicamente masculino - está na humildade de querer aprender.

Para constituir uma empresa, por outro lado, é preciso buscar o aperfeiçoamento, as inovações, a tecnologia, mas com senso prático. “É preciso buscar um conceito diferenciado. Trago para os empreendimentos de médio padrão o que antes era exclusivo dos imóveis de alto padrão”, afirma.

Ao analisar o mercado atual, Maristela Soares percebe que o setor está chegando à estabilidade. “Há dois anos tivemos um boom e agora vejo que há uma tendência de o mercado se tornar mais profissional. No boom, atraídos por políticas governamentais, apareceu muita gente não qualificada. Tanto que muitas obras pararam no meio do caminho”, constata.


Palhoça

Apesar de o Residencial Nair Zacchi só ficar pronto em novembro de 2013, 15% das unidades já foram vendidas. O empreendimento fica no Centro da cidade, ao lado da Escola Roda Pião, com acabamentos internos que incluem porcelanato, persianas, aquecimento a gás nos banheiros, sacada com churrasqueira e cozinha com as bancadas em granito. Os apartamentos têm dois ou três quartos e variam de 65 m² a 90 m².

“Todos os halls serão entregues mobiliados e o espaço gourmet até com os eletrodomésticos. Para escolher os equipamentos da academia, consultamos personal trainers. Isso é muito importante porque o cliente já entra no novo lar podendo usar toda a estrutura do condomínio”, descreve Maristela.

O prédio terá 11 andares e vista para o mar. Os apartamentos estão sendo vendidos a partir de R$ 190 mil o de dois dormitórios e R$ 240 mil o de três quartos.

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina