palhocense.jpg

Histórias com o Sr. Zé da Praia

05 Julho 2012 13:41:09

Arlene Marli Wagner da Silva

Tomei conhecimento da morte do Sr. Zé da Praia pelo Jornal P. Palhocense, que triste! Parabéns a esse semanário pela reportagem. Pude constatar que assim como eu, muitas pessoas cultivaram medos na sua infância, do velhinho do saco.

Já adultos percebemos que o Sr. Zé era inofensivo e com o passar dos anos se tornou uma figura carismática. Particularmente tenho uma história que julgo engraçada com esse bom velhinho. Diariamente ele passava em nossa loja e guardava sua mochila para pegar depois... sempre sorridente. Nosso filho Lucas, desde muito pequeno ficava na loja conosco. Certo dia, quase colocou o dedo em uma tomada. Rapidamente o Amaro protegeu o local, agachou e falou pro Lucas: “Filho! Cuidado, se colocares o dedinho aí, podes levar um choque, te queimar, ficar todo preto”. Lucas ficou com os olhinhos arregalados e voltamos a sentar na porta da loja e contar carros e motos que passavam. Uma brincadeira que fazíamos sempre no final de tarde (carro que passasse na frente da loja: ponto para ele, moto: ponto para mim). Seu Zé chegou e interrompemos nossa brincadeira para entregar sua mochila. Lucas por incrível que pareça nunca tinha visto uma pessoa negra (e nós não tínhamos nos dado conta disso) no alto de sua sabedoria de 5 anos não teve dúvida. Perguntou logo para o Sr. Zé: “Tu colocasses o dedo na tomada?” Ainda bem que o seu Zé não entendeu. Rudnei Martins, nosso amigo dentista, fala sempre que essa é a melhor do Lucas. Expliquei então a ele que existiam muitas pessoas iguais ao Sr. Zé que ele iria conhecer e que não tinham “colocado o dedo na tomada”. Voltamos a nossa brincadeira e o fato nos serviu de lição na hora de explicar qualquer situação ao Lucas.


 


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina