palhocense.jpg

Um festival solidário

10 Agosto 2017 15:30:34

No Sul, evento reúne música, gastronomia e altruísmo, nos dias 19 e 20. A meta é arrecadar fundos para reformar o galpão da Pró-Crep

Texto: Isonyane Iris
IMG_2436Resultado.JPG
Foto: NORBERTO MACHADO
Telhado está assim desde o ano passado, quando um vendaval danificou a estrutura

Para que seja possível fazer melhorias e consertos na estrutura do pavilhão onde desenvolve seus projetos, a associação sem fins lucrativos Pró-Crep (Criar, Reciclar, Educar e Preservar) convida todos para o Festival Solidário. O evento, que acontece entre os dias 19 e 20 de agosto, promete reunir as melhores bandas da região em dois dias de muita música, um almoço no domingo (20) e ainda um divertido show de prêmios.
Presidente da associação, Miria Ruth Diel relembra que no final de 2016 a entidade foi vítima de duas avarias causadas por dois vendavais e que desde então o pavilhão encontra-se com as telhas quebradas, entre outros problemas na estrutura, ficando completamente desprotegido do sol e da chuva. “O primeiro ciclone que enfrentamos arrebentou as paredes e levantou telhado e portas, destruiu tudo, praticamente, porque ficamos até mesmo sem ter onde guardar nosso material. Uma semana depois, veio outro e pegou toda a frente do pavilhão e terminou de destruir nosso telhado, e ainda mais algumas partes da estrutura”, lamenta.
Quando chove ou quando faz muito sol, os trabalhadores ficam protegidos apenas por um guarda-sol, objeto instalado por eles de forma provisória até que o telhado seja arrumado. ”Trabalho aqui com muito orgulho, faço minha parte com amor para ajudar a natureza”, destaca Vera Lúcia, atuante na associação há 11 anos. 
O festival está sendo resultado de uma parceria entre a Pró-Crep, a Ação Social e Cultural da Enseada de Brito e ainda conta com o apoio de amigos simpatizantes pela causa. “Todos abraçaram a ideia. As bandas vão se apresentar sem custo nenhum, assim como todos os voluntários que estarão trabalhando no dia do evento por amor à causa e isso tem sido fundamental para que o evento aconteça da melhor forma possível”, agradece a voluntária Lisa Viana.
Francisca Maria da Silva começou a trabalhar na associação há quase 10 anos e conta que se sente triste de ver a associação precisando de tantas reformas. “Ver o telhado assim me deixa triste porque quando chove trabalhamos debaixo de chuva, com vento, com sol, contamos apenas com esse guarda-sol para nos proteger um pouco. É muito importante que seja feita essa reforma o mais rápido possível, pois o nosso trabalho não pode parar, a natureza não pode esperar”, finaliza.
A associação junto com outros voluntários realizou um jantar para arrecadar um valor e assim realizar melhorias e reformas no galpão, mas infelizmente foi arrecadado apenas R$ 1,5 mil. “Pouco, diante do nosso orçamento de R$ 23 mil (feito em março deste ano, apenas para trocar as telhas). Só que para fazer o conserto não basta, é necessário mexer na estrutura e reconstruir algumas partes, como as de trás do galpão, que caíram por completo. Isso sem contar a parte elétrica, a necessidade de cercar o local, colocar um alarme para melhorar a segurança, já que infelizmente temos sofrido diversos furtos, entre outros serviços necessários”, explica a presidente.
A associação e seus parceiros voluntários têm buscado ajuda, inclusive com a Prefeitura, para que seja possível consertar o galpão e ainda fazer alguns reparos necessários. Então, um grupo de amigos criou o Festival Solidário, um evento regado a muita música, comida de qualidade e ainda um show de prêmios.
A expectativa dos organizadores é otimista, assim como a esperança de que o pavilhão ganhe melhorias se torna um sonho mais próximo de se realizar. “Pedimos o apoio de toda comunidade e de todos os palhocenses para prestigiar nosso Festival Solidário. Somos uma associação que por meio de suas atividades gera emprego, renda e ainda dá o destino correto aos resíduos sólidos recicláveis e ao óleo de cozinha, e ainda disponibilizamos um brechó. Nosso trabalho minimiza o depósito de resíduos no aterro sanitário, gera economia para o município, promove educação socioambiental, oficinas com aproveitamento de cerâmicas, oportuniza laborterapia para dependentes químicos em recuperação e ainda proporciona o espaço como laboratório para pesquisas acadêmicas. Por isso, acreditamos e esperamos a solidariedade do poder público e da população”, convida a voluntária e apoiadora do projeto, professora Hélia Alice dos Santos. “Pedimos que os convidados entendam que a proposta do nosso festival é contar com a solidariedade de todos. A participação de cada um é muito importante para nós, além disso também contamos com as vendas antecipadas dos ingressos para que possamos nos preparar para receber todos da melhor forma possível”, finaliza Miria.

 

Festival Solidário

Confira a programação

Sábado (19)
O festival acontece a partir das 20h, no Salão Paroquial da Guarda do Embaú
Cinco bandas devem se apresentar
O ingresso poderá ser adquirido antes e também no local do evento, no valor simbólico de R$ 10
Durante os shows os convidados terão opções de alimentação no local, onde o valor será revertido para a associação
Domingo (20)
A partir das 11h30, no Salão Paroquial da Pinheira, onde haverá um almoço (buffet livre a R$ 25 por pessoa; cardápio com opção vegetariana)
Banda Unha Encravada fará um som ao vivo
Após o almoço, show de prêmios (mais de 30 prêmios)
Cartelas no valor de R$ 7 já podem ser adquiridas na associação ou no dia do evento, no local

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina