palhocense.jpg

Sinal analógico será desligado em PH em janeiro. O que fazer com os televisores antigos?

10 Agosto 2017 16:27:11

Isonyane Iris
IMG_2159Resultado.JPG

Foi em 18 de setembro de 1950 que a televisão surgiu no Brasil. Hoje, depois de mais de seis décadas de transmissão ininterrupta, o sinal analógico de TV deve sair do ar em Palhoça, São José, Florianópolis, Biguaçu e Paulo Lopes até 31 de janeiro de 2018, data em que será, de forma definitiva, desligado o sinal analógico nessas regiões. Esse processo teve início em abril de 2015 e, de acordo com cronograma definido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, mais de 1,3 mil municípios terão o sinal analógico desligado até 2018.
A mudança é em respeito ao decreto Nº 5.820, de 29 de junho de 2006, que apresenta a transição do sistema de transmissão analógica para o sistema de transmissão digital de forma gradual em diversas cidades brasileiras. A meta do governo é encerrar as transmissões analógicas em todo o Brasil até o fim de 2018. Isso significa que, a partir de janeiro do ano que vem, quem tentar sintonizar um canal da TV aberta usando uma antena e um decodificador analógico não verá nada além de chuvisco.
A mudança para o sinal digital está sendo feita de forma gradual, mas em alguns meses tudo será definitivo. É importante que todos se previnam e se adequem a tal mudança para não serem pegos desprevenidos, já que, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílios (PNAD, 2015), cerca de 37,9% dos domicílios brasileiros só conseguem assistir TV através dos antigos aparelhos analógicos com tubos de imagem.

O que muda 
Não é só a qualidade de imagem que melhora. A TV digital disponibiliza uma imagem com resolução mínima de 704 por 480 pixels na proporção 16:9, conhecida como “widescreen”. Na TV analógica, a resolução era de 480 por 360 pixels, e a proporção de imagem, de 4:3, a “janela clássica”.
O som pode ser transmitido em até seis canais digitais, o que garante qualidade que se equipara à oferecida pelos cinemas e os sistemas de home theater. Na TV analógica, o som era transmitido em, no máximo, dois canais (estéreo).
Sem contar que na TV digital, além de imagem e som, os canais podem transmitir informações como guias de programação, dados relativos ao conteúdo sendo apresentado e até fazer o papel de uma internet rudimentar, com envio de alertas e notificações, como explica o técnico em eletrônica Valdir Fernandes da Silveira.
Quem estiver pronto para o sinal digital receberá, gratuitamente, imagem e som dos canais abertos sem interferências, chiados e chuviscos. Para quem ainda tem televisores analógicos, existem duas opções possíveis para receber o sinal digital: adquirir um televisor novo, que tem sido uma das opções mais escolhidas, ou então adquirir um kit para conversão digital e instalar no televisor antigo, desde que ele tenha entrada para sinal digital. As duas opções são válidas e ficam a critério de cada um, mas é o valor do investimento que muitas vezes tem feito a diferença na hora de escolher.

Kit para conversão
Para quem tem um televisor antigo e não está preparado financeiramente para adquirir um novo aparelho de TV, a sugestão é procurar pelos kits para conversão do canal digital, desde que sua TV tenha entrada para sinal digital. O valor de uma antena e um conversor de sinal digital custa uma média de R$ 110, praticamente 10% do valor de um televisor novo. “Muitas pessoas não querem trocar a televisão antiga, a maioria por achar que o aparelho ainda funciona bem e não tem por que gastar dinheiro nesse momento, então nós indicamos comprar o kit para conversão. Além de sair mais em conta, ele proporciona o mesmo sinal digital de um aparelho novo, então fica a critério de cada um”, explica o vendedor e comerciante Ricardo Hineghel.
É importante lembrar que para cada TV da casa, é necessário um conversor individual para receber o sinal. Além disso, televisores com fabricação após 2010 já possuem o conversor incluso.

Kit gratuito
A migração da TV analógica para digital é determinação do Ministério das Comunicações. Ou seja, determinação federal. Assim, a Prefeitura de Palhoça orienta a procurar por este benefício junto ao governo federal, que tem um programa que objetiva a distribuição de conversores digitais com essa configuração para famílias comprovadamente de baixa renda, do Cadastro Único, que recebem o Bolsa Família. 
A Seja Digital tem como parte de suas atribuições distribuir kits gratuitos com antena e conversor para a população de baixa renda cadastrada em programas sociais do governo federal. A lista de beneficiários é fornecida pelo Ministério do Desenvolvimento Social para que a Seja Digital informe ao público por meio de cartas e campanhas de comunicação para que possam entrar em contato e agendar a retirada dos equipamentos.
Para saber se está na lista fornecida pelo Ministério do Desenvolvimento Social ou se o agendamento já está liberado em sua região, o beneficiário deve acessar www.sejadigital.com.br ou pelo telefone 147, com o CPF ou Número de Identificação Social (NIS) fornecido pelo Ministério do Desenvolvimento Social em mãos.

TV nova
Para quem optar por um televisor novo, o gasto será em média em torno de R$ 899, um valor razoável, já que seria um “investimento”, na opinião de alguns palhocenses. “O novo parelho traz outras ferramentas, além do sinal digital. Hoje, com a internet ao nosso alcance, é quase impossível continuar com um aparelho de TV antigo, sendo que filmes, vídeos e jogos, tudo é possível assistir numa televisão, desde que ela opere com o sistema digital”, defende o palhocense Cristiano Ferreira.
Desde o ano passado, a procura por televisores novos está sendo grande na maioria das lojas de eletrodomésticos de Palhoça. “O engraçado é que a maioria dos nossos clientes nos procuram justamente porque estão se desfazendo de um televisor antigo, com tubo de imagem, ou seja, os palhocenses ainda tinham muitos televisores analógicos em casa. A nossa expectativa é que a venda de novos televisores cresça muito nos próximos meses”, acredita o vendedor Jeferson Felipe dos Santos.

O que fazer com a TV antiga?
Nesse caso, é importante saber o que fazer com o antigo aparelho e qual a importância de se destinar de forma ambientalmente adequada. A reciclagem ou a sua disposição são de particular preocupação, uma vez que as altas quantidades de óxido de chumbo tornam o vidro inadequado para a maioria das atuais aplicações existentes. É importante destinar os televisores de forma correta, de preferência para empresas habilitadas, que portem as licenças ambientais e autorizações necessárias.
“Para o descarte correto, cada indivíduo gerador deverá procurar locais específicos e habilitados para realizar as ações previstas, especialmente a de arrecadação dos televisores e outros resíduos eletrônicos descartados, uma vez que deve ser estruturado sistema logístico para coleta e transporte com segurança dos materiais recolhidos até a unidade de seleção, triagem e processamento para destinação adequada”, alerta Mark Jacobowitz Era, engenheiro sanitarista e ambiental.
Em Palhoça, existe uma parceria com a Weee.do (Waste Electrical and Electronic Equipment), responsável por diversos pontos de entrega voluntária (PEVs), onde todos os resíduos de equipamentos eletroeletrônicos com possibilidades de reuso são recuperados e utilizados como instrumento de inserção social. 
Infelizmente, estima-se que apenas de 10% a 40% de todo volume de resíduos eletroeletrônicos é reciclado. O resto vai parar diretamente em aterros e incineradores ou, pior ainda, em lixões a céu aberto, como é comum ver em vários terrenos baldios pelo município de Palhoça.

 

Reciclagem eletrônica

Saiba mais

O que são recebidos:

CPUs e componentes (fontes, placas eletrônicas, memórias, processadores, etc)
Monitores CRT, LCD, etc
Peças complementares (mouses, teclados, estabilizadores, nobreaks, etc)
Notebooks e acessórios
Fax e impressoras
Aparelhos telefônicos e celulares
Aparelhos de CD / DVD
Televisores
Cabos e fios em geral

Em Palhoça, os pontos de recolha são:

ACIP
Av. Prefeito Nelson Martins, 1171 (Centro)
Caixa Econômica
Av. Barão do Rio Branco, 51 (Centro)
Cartório Margarida
Rua Emeline Matildes Crisemann Scheidt, 277 (Centro)
Fatenp
Av. Vidal Procópio Lohn, 1081 (Nova Palhoça)
Shopping Via Catarina
Av. Atilio Pedro Pagani, 270 (Pagani)

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina