palhocense.jpg

O Sul mira o futuro: com água, e por que não, com ciclovia também?

13 Julho 2017 11:16:17

Isonyane Iris
IMG_0440.JPG

A tão esperada implantação do sistema de água no Sul do município está enchendo os moradores de esperanças para que finalmente acabe a falta de água constante na região, principalmente no verão. As obras estão causando transtornos, mas segundo os próprios moradores, qualquer contratempo é pequeno diante da melhoria que a implantação do sistema de água promete trazer.
Em uma boa parte do bairro Morretes, as obras para a implantação do sistema já estão bem avançadas, o que se torna uma conquista, segundo os moradores. “Sair de casa e ver este monte de gente trabalhando dá até vontade de comemorar. Quantos anos de espera e de dificuldade por causa da falta de água! Tudo indica que nosso problema com relação à água acabou”, elogia Nathalya Pereira.
Depois de 10 anos esperando pela obra, finalmente Marco Aurélio tem motivos para comemorar. O morador relembra que quando chegou ao bairro, viu que a situação da falta de água lhe daria muito trabalho. “Me lembro como se fosse hoje quando cheguei. No primeiro dia eu aceitei, entendi a dificuldade, mas depois sobrevivi muitos anos com esperança de que um dia o problema fosse resolvido. Foram anos de espera e de esperança. Hoje, ao que tudo indica, já posso começar a ficar tranquilo”, comenta.

Nem todo mundo é paciente
A obra tem sido elogiada, mas as opiniões se dividem, principalmente por conta dos transtornos que os trabalhos estão causando. “Faz mais de dez anos que esperamos ansiosos por essa água. Agora eles chegam aqui fazendo buracos no meio da rua, colocando canos por todos os lados, e o problema maior é que em muitos trechos o buraco está ficando aberto. O calçamento que foi retirado ficou jogado na lateral da rua, sem ter qualquer finalização”, lamenta Ricardo Mennel.
Morador da região há 23 anos, João Nunes da Silva diz não entender o trabalho que está sendo feito, já que para colocar a tubulação está sendo feito um buraco para os novos canos, onde os antigos estão sendo quebrados e ainda por cima os paralelepípedos retirados estão ficando jogados na rua. “Isso sem contar que quando chove a lama toma conta da rua. Sempre tivemos esperança dessa água chegar aqui e nunca chegou. Agora eles estão fazendo buracos, colocando os canos, mas ainda não sabemos se realmente vai chegar até o final. Temos medo de daqui a pouco eles pararem com as obras e começarem a dizer que falta verba, falta isso ou aquilo”, comenta o morador, sem muitas esperanças.

Ciclofaixa
Uma sugestão que surgiu entre os moradores seria que a Prefeitura fizesse uma ciclofaixa na região, aproveitando que a rua está passando por obras para a implantação do sistema de água e o calçamento vai precisar ser reconstruído. Segundo os moradores, a ciclofaixa ajudaria muito o trânsito da região e ainda facilitaria a vida de quem gosta de andar de bicicleta, sem contar que garantiria a segurança.
Apoiador da ideia, Anderson Hungell afirma que seria uma conquista para a região, além de proporcionar segurança para quem é adepto dos pedais. “Adoro andar de bicicleta, faço tudo com a minha bike, trabalho, vou ao mercado, passeio aos finais de semana, e acredito que uma ciclofaixa seria importantíssima para nós”, explica.
Para Gabriela Moraes, a região precisa com urgência de uma ciclofaixa, principalmente pela quantidade de ciclistas que existe e ainda devido ao número grande de turistas no verão. “Vai facilitar muito a nossa vida e ainda melhorar no verão”, acredita a estudante.
Motivada a entrar de “bicicleta nessa onda”, a fisioterapeuta e professora de Educação Física Ana Luiza Leivas Simões Pires desenvolveu um abaixo-assinado com o propósito de pedir à Prefeitura uma atenção especial à ideia de construir uma ciclofaixa na região. “Esse seria o momento ideal, já que a Prefeitura está mexendo na rua. Esperamos que isso se torne uma realidade, principalmente neste momento em que o mundo busca uma melhoria na qualidade de vida. Um ciclofaixa hoje traria inúmeros benefícios, tanto aos moradores quanto aos turistas, principalmente pelo fato de diminuir a poluição do meio ambiente, pois um número maior de pessoas utilizaria essas vias como meio de transporte”, acredita.
Segundo informações do secretário de Infraestrutura, Eduardo Freccia, as obras em andamento fazem parte da implantação do Sistema de Abastecimento de Água da Região Sul, que prevê a construção de uma barragem de nível, em Três Barras, na divisa com o município de Paulo Lopes; uma Estação de Tratamento de Água, no Morretes; e, ainda, as adutoras de água bruta e de água tratada. “Não seria possível, neste momento, adicionar, no mesmo contrato, os serviços que estão sendo solicitados, uma vez que se caracterizaria em ‘desvio de objeto’”, explicou Freccia, em referência à ciclofaixa. A demanda chegou à secretaria através do Contur, e Freccia informa que estão sendo realizados estudos e projetos para atender à solicitação. A execução desses projetos ficaria no aguardo de recursos.

Entenda a diferença
Ciclovia - É uma via voltada para os ciclistas. Há uma separação física isolando os ciclistas dos demais veículos. Funciona todos os dias. Nela é proibida a circulação de carros, motos e pedestres. Com isso, o ciclista pode pedalar com tranquilidade e segurança. 
Ciclofaixa - É uma faixa pintada na rua ou avenida reservada aos ciclistas. E como nas demais faixas da via o tráfego de automóveis é permitido, é importante que o ciclista pedale somente na faixa reservada às bikes. 

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina