palhocense.jpg

Beltrano - Edição 587 - 04/05/17

04 Maio 2017 10:07:58

Charge Beltrano 17.jpg

A ocasião faz o roubo, o ladrão já nasce pronto

"Nada se perde, tudo muda de dono." Assim seria a reflexão de Lavoisier se vivesse em Palhoça nos dias de hoje. Por isso, povo palhocense, evite surpresas: agende seu assalto pelo telefone!
- Crime organizado de Palhoça, boa tarde.
- Boa tarde, eu queria agendar um assalto.
- Perfeitamente. Para sua segurança, comunicamos que a ligação estará sendo gravada. Para quando seria o assalto, senhor?
- Deixa eu ver aqui… Pode ser sexta?!
- Em qual rua, senhor?
- Na rua José Maria da Luz.
- Um ponto de referência, por favor?
- É a rua onde ficam os agentes de trânsito. Não tem erro!
- Perfeitamente, já atendemos vários pedidos nessa rua! Fica bem no Centro de Palhoça, né, senhor?
- Sim, no Centro.
- Qual o número da casa, senhor?
- É uma loja, e o número é 1024!
- Queira aguardar alguns instantes, senhor, vou verificar...
Música de espera: “Pra dançar créu / Tem que ter disposição / Pra dançar créu / Tem que ter habilidade...” 
- Nesta rua para sexta-feira temos disponível só para depois das 19h, quando os agentes de trânsito e a Polícia Militar não estiverem mais por lá multando! Pode ser senhor ou quer deixar pra outro dia?
- Não tem uma hora de madrugada?
- Tá difícil contratar ladrão pra trabalhar à noite. Sabe como é, insalubridade, hora extra, multa sem cinto de segurança... Os caras estão exigindo todos os direitos e despesas extras!
- Tá bom, pode ser, sim. Vocês também trabalham com automóvel ou só com roubo de casa ou loja?
- Qual seria o seu carro, senhor?
- É um Gol.
- Senhor, no momento não estamos roubando Gol. Para esse veículo, oferecemos apenas roubo de celular e de CD.
- Tudo bem, pode deixar. Pro roubo em minha loja, o bandido vem armado?!
- Não é necessário, senhor. Para roubar alguns produtos, basta fazer cara de mau e dizer “perdeu, perdeu”.
- Tem razão.
- Queira anotar o nome do bandido que vai a sua loja, senhor.
- Peraí, deixa eu pegar uma caneta. Pronto, pode falar.
- O nome do meliante é Cleberson de Jesus, senhor.
- Competente ou é um pé de chinelo?!
- Não se preocupe. Várias passagens pelas delegacias de Palhoça, São José e Florianópolis... Inclusive é foragido da Colônia Penal. Serviço garantido, dotô, pode confiá!
- Cleberson de Jesus né?! Anotado.
- Deseja mais alguma informação, senhor?
- Vocês já estão agendando sequestro relâmpago para Palhoça?
- No momento só para clientes que possuem Visa Electron, senhor.
- Poxa, que pena, eu só tenho Itaucard.
- Infelizmente, ainda não trabalhamos com o Itaú, senhor. Mas caso o senhor deseje, entraremos em contato tão logo começarmos a trabalhar com esse cartão, senhor.
- Ótimo, vou precisar sim.
- Mais algum pedido?
- Não não, é só isso.
- Queira aguardar mais alguns instantes, que estaremos efetuando o seu pedido, senhor.
- “Créu-créu-créu-créu…”
- Apenas mais uns instantes, senhor, que o sistema está lento.
- “Créu-créu-créu-créu…”
- Senhor, com apenas uma taxa adicional o senhor ganha um tapa na cara para deixar de ser otário. Deseja confirmar, senhor?
- Tapa na cara? Hummm… Pode ser.
- Perfeitamente. Só mais um momento.
- “A primeira é devagarzinho / só o aprendizado / é assim, ó / crééééééu…”
- Confirmando, senhor: próxima sexta-feira, 19h, na rua José Maria da Luz: roubo de alguns pertences e produtos de marca; bandido: Cleberson; bônus adicional: um tapa na cara. É isso, né, dotô?
- Beleza!
- O senhor prefere que a gente arrombe a vitrine ou o dotô prefere deixar uma janela ou a porta encostada?
- O que é mais fácil pro bandido?
- Pra nós, tanto faz como tanto fez, o senhor que sabe!
- Pode arrombar, vou ter mesmo que trocar a vitrine que ficou estragada do último assalto.
- Tá bem, intão, dotô. O crime organizado agradece a sua chamada. Tenha uma boa tarde, e tenha um bom assalto, senhor!

Minha Nossa Senhora Piriquita da Cova Funda! A situação vivida acima parece piada, né?! Mas estamos chegando perto disso, depois que a Palhoça mudou e se tornou a cidade mais dinâmica do país. Antigamente, o ladrão era só de galinha; hoje, é tanto assaltante em Palhoça que dá para ver pelo sotaque de onde ele veio. Tudo porque a cidade que mais cresce em Santa Catarina também disparou em número de assaltantes, que chegam atraídos pela proximidade com o porto, aeroporto e as BRs 101 e 282. O problema é que, a julgar pelos BOs, tem vindo mais assaltantes de que empresas. Por essa razão, Beltrano lança com exclusividade o Guia do Assaltado, para que você, cidadão palhocense, saiba o tipo de assaltante que certamente ainda vai “visitar” sua casa, sua loja ou furtar seu automóvel.
O Assaltante Cearense – é aquele que chega pra você e diz: “Ei, bixim… Isto é um assalto… Arriba os braços e num se bula nem faça munganga… Passa vexado o dinheiro senão eu planto a peixeira no teu bucho e boto teu fato pra fora… Perdão, meu Padim Ciço, mas é que eu tô com uma precisão da moléstia…”
O Assaltante Mineiro - chega pra você e dispara: “Ô sô, prestenção... Isso é um assartin, uai… Levanta os braço e fica quietin que esse trem na minha mão tá cheio di bala... Mió passá logo os trocados que eu num tô bão hoje... Vai andando, uai, tá esperando o que, uai?”
O Assaltante Gaúcho - “Ô gurí, ficas atento… Bah, isso é um assalto… Levanta os braços e te aquieta, tchê! Não tente nada e tome cuidado que esse facão, corta que é uma barbaridade, tchê! Passa os pilas prá cá! E te manda pra lá, cria, senão o meu três-oitão fala!”
Assaltante Carioca: “Seguiiiinnte, bicho… Tu tá lascado, morou! Isso é um assalto… Passa a grana e levanta os braços rapa… Não fica de bobeira que eu atiro bem pra cacete... Vai andando e se olhar pra trás vira presunto, morô?!
Assaltante Paulista: “Ôrra, meu… Isso é um assalto, mano… Alevanta os braços, meu… Passa a grana logo, ô meu… Mais rápido, ô meu, que eu ainda preciso instalar a tua TV de 50 polegadas no meu cafofo, pra modi vê a minha Chape metê quatro no teu Avaí, meu… Pô, se manca, meu…”
Assaltante Político: “Caro eleitor, você nos escolheu para administrar o dinheiro público. Pra nós, não vai faltar oportunidade de viajar, conhecer outros ares, ter assessores, telefone, carro à disposição... Pode confiar! Vâmo cuidar dereitinho do cofre público, afinal, se é público é nosso e ninguém tasca…”
Kinaba, não! 
Para terminar, fique com o Conselho do Beltrano: “Em Palhoça, como a coisa anda feia, saia sempre com seu relógio, porque se um dia você for assaltado e um ladrão mandar você passar o redondo, você tem o que dar”! Fui!

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina