palhocense.jpg

Bondeconomia - Edição 589 - 18/05/17

18 Maio 2017 10:47:32

01.jpg

DEPOIS DE UM ANO COM CANCELLIER, UFSC RETOMA O CAMINHO DA VANGUARDA
Desde que assumiu em maio do ano passado o reitor da UFSC, Luís Carlos Cancellier, promoveu uma clara mudança de postura de instituição nas relações com a comunidade, com a iniciativa privada e com próprio setor público. Optou pela pluralidade e colocou as questões ideológicas – que contaminaram a instituição e a sua própria administração de cima para baixo nos últimos anos – onde elas realmente devem ficar na academia: restritas ao debate interno. Cancellier foi em busca de parcerias para desenvolver a Universidade Federal e, sem qualquer defeito do saudosismo, revive agora conceitos e ações de reitores que fizeram da UFSC uma instituição de vanguarda e referência nacional e internacional desde a década de 70. Foram diversas ações e uma delas é um ícone: o ônibus elétrico (foto) alimentado por energia solar. Inaugurado em dezembro de 2016, o veículo foi desenvolvido pelo Centro de Pesquisa e Capacitação em Energia Solar (Fotovoltaica UFSC) em parceria com as empresas Eletrabus, Marcopolo, Mercedes Benz e WEG. Já rodou cerca de 10 mil quilômetros ao longo de dois meses de testes no trajeto entre a Universidade e o Sapiens Parque, em Canasvieiras, no litoral norte de Florianópolis. O veículo faz cinco viagens por dia, totalmente alimentado pela eletricidade solar gerada nas estruturas do laboratório Fotovoltaica. “Nos próximos dias, o ônibus passará pela primeira revisão geral de todos os sistemas mecânicos e elétricos, quando será realizado um diagnóstico preciso sobre a operação do veículo”, explica o coordenador da Fotovoltaica, professor Ricardo Rüther. Está também em fase de desenvolvimento um aplicativo que permitirá à comunidade acadêmica da UFSC reservar seu assento no ônibus pelo celular, da mesma maneira como se faz o check-in para um voo comercial. Após o lançamento do aplicativo, o serviço de deslocamento será oferecido com horários regulares a todos os estudantes, docentes e técnicos-administrativos em Educação da Universidade. 


DÁ PARA TRABALHAR NO e-BUS 
Toda a eletricidade gerada no laboratório pelos sistemas fotovoltaicos instalados atende ao consumo dos prédios e às recargas do ônibus, com sobra, que é enviada por meio da rede elétrica da Celesc para ser consumida no campus central da UFSC. Nas simulações feitas pela Fotovoltaica (foto), estima-se que a geração de eletricidade atenda a cerca de 80% do consumo das edificações e das recargas do e-Bus, na base anual, com 20% via rede da Celesc. O ônibus é parte de um projeto de ‘deslocamento produtivo’, com veículos elétricos alimentados por energia solar fotovoltaica – é um ambiente de trabalho, com poltronas confortáveis (somente transporta passageiros sentados), duas mesas de reunião, tomadas 220V e USB, ar-condicionado e rede wi-fi UFSC. Assim, durante o deslocamento de meia hora entre o UFSC-Sapiens Parque usuários têm um ambiente de trabalho como se estivessem em uma sala da Universidade.


FALANDO NISSO
“A Universidade é um lugar de pluralidade, de diversidade, seja na produção intelectual, seja nos costumes. A Universidade não tem só um pensamento”
Reitor Luís Carlos Cancellier, discurso de posse em 10 de maio de 2016 


MEDINDO
Os demais estados brasileiros produtores de têxteis estão avaliando ainda o impacto do decreto assinado pelo governador Geraldo Alckmin no último dia 5, zerando a carga tributária do ICMS para seda, lã, algodão, malhas, vestuário, botões, bonés, gorros, chapéus e travesseiros, entre outros itens. “Estamos zerando o ICMS para saídas internas para a indústria têxtil e de confecção. Isso vai estimular novas empresas, mais produção, mais emprego e renda para São Paulo”, disse Alckmin. O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, disse que a medida “ajuda a quebrar mais ainda” o seu Estado. 


AVANÇANDO
Tema desta coluna na primeira quinzena de dezembro, a dívida do Estado com os municípios referente ao ICMS do Fundosocial – que na época estava bem difícil de ser paga – parece que agora já tem luz no fim do túnel. A presidente da Federação Catarinense de Municípios, Adeliana Dal Pont, discutiu o assunto com o secretário da Fazenda, Antônio Gavazzoni e ambos chegaram inclusive a um calendário de pagamento. 


GOVERNADOR
Adeliana Dal Pont, que é prefeita de São José, disse que o alinhamento com Gavazzoni é resultado da conversa iniciada com o governador Raimundo Colombo em fevereiro. “Estamos discutindo com a Fazenda os números apresentados pela Fecam e no mês de junho começará o pagamento em 36 vezes aos municípios”, destaca. Os números apresentados pela Fecam no ano passado somavam uma dívida de R$ 520 milhões. 


Inovação reúne
“Esta é uma oportunidade para fortalecer os núcleos de todo o Estado, aproximando os profissionais da área e promovendo o debate sobre a importância do planejamento de ações para a inovação em Santa Catarina”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Carlos Chiodini, sobre o 3º Seminário Catarinense de Núcleos de Inovação Tecnológica, que se realiza no Centro de Inovação Luiz Henrique da Silveira, em Lages, de 5 a 7 de junho. Localizado no Órion Parque Tecnológico, o Centro da região serrana foi o primeiro a ser inaugurado pelo governador Raimundo Colombo. 
Estão sendo construídos Centros de Inovação também em Jaraguá do Sul, Chapecó, Blumenau, Itajaí, São Bento do Sul, Tubarão e Joaçaba. Há alguns dias Chiodini esteve em Joinville para tratar do projeto no município e há previsão de obras também para Florianópolis, Criciúma e Rio do Sul. 


EM ITAJAÍ
O vice-governador Eduardo Pinho Moreira (2º à esquerda na foto) foi a Itajaí para conhecer, junto com lideranças locais, a draga chinesa que por 120 dias vai trabalhar retirando 4 milhões de metros cúbicos de resíduos e reestabelecer a profundidade do canal. Também esteve em Itajaí o senador Dalirio Beber, que quando foi coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense no Congresso, liderou a luta por essa obra, que pode ser a redenção do porto de Itajaí. No total, o Fórum de 16 deputados e três senadores conseguiu R$ 44 milhões para o porto. 

Imagens


logo palhocense.png

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados | Associação dos Jornais do Interior de Santa Catarina